12 abril 2012

…se eu te visse pobre e nua…

Um poema de António BottoAntónio Botto
.

Ó Pátria mil vezes Santa.
--Meu Portugal, minha terra,
Onde vivi e onde nasci!
.
Na tua História me perco,
E nela tudo aprendi.

Mesmo que fosses pequena
E eu te visse pobre e nua,
--Ninguém ama a sua Pátria por ser grande,
Mas sim por ser sua!

António Boto
In. “Baionetas da Morte
1936
.
António Botto nasceu em 1897 na Concavada, em Abrantes. Ainda criança foi viver para Lisboa, tendo sido empregado numa livraria. Após várias viagens ao estrangeiro regressou a Portugal, onde viveu até ser expulso do funcionalismo público em 1942. Partiu então para o Brasil onde veio a falecer, atropelado, em 1959.
.
" A obra de António Botto ajusta-se geometricamente a tudo quanto seria de esperar da obra de um esteta. Canta a vida, mas nas mesmas palavras em que a canta, a renega; o que sente nela de belo é o que dela se perde...",

Fernando Pessoa

Sem comentários: