30 novembro 2007

A Liga dos Amigos do Liceu

Foi o Ricardo Jorge Reynaud quem me enviou esta "mensagem" que eu achei interessantíssima:

"Caro Professor
Numa pesquisa totalmente “fora” deste assunto eis que dou por mim a ler esta notícia que transcrevo por inteiro, no jornal “ A Industria”de 28 de Março de 1930:"


"SOCIEDADE
DOS AMIGOS DO LICEU DE BOCAGE
A Comissão dos amigos do nosso liceu fez distribuir a seguinte circular, que gostosamente publicamos dando-lhe o nosso mais caloroso aplauso:
Sendo o Liceu de Bocage o mais alto estabelecimento de ensino do nosso distrito, ele deve desempenhar uma notável função na educação e instrução da mocidade de toda a região de Aquém Tejo, preparando o futuro escol directivo e defensor dos interesses de tão próspera como laboriosa região.
Precisa ele porém do amparo de todos, pois que as deficiências orçamentais não lhe permitem desenvolver e modernizar o seu ensino, como é mister; necessita de criar um ambiente de auxílio e dedicada simpatia, reunindo à sua volta todos os seus amigos, quer sejam os seus actuais e antigos professores, os pais, tutores e demais encarregados de educação dos actuais e antigos alunos, quer os seus antigos alunos que nele principiaram a formar o seu espírito.
Com esse fim fundou-se, anexa ao Liceu, a “Sociedade dos Amigos do Liceu de Bocage” cujos estatutos foram aprovados por despacho ministerial de 28 de Janeiro de 1930, a qual será constituída por sócios ordinários e extraordinários. Podem pertencer à 1ª. Categoria os actuais e antigos professores do Liceu de Bocage, os pais, tutores e demais encarregados de educação dos alunos que o frequentam ou hajam frequentado e os seus antigos alunos; à 2ª. Categoria, todas e quaisquer pessoas de boa reputação moral que desejem contribuir para a obra educativa do Liceu.
A cota de sócio ordinário é semestral e não é fixa, mas não poderá ser inferior a 10$00; a de sócio extraordinário é também semestral e não fixa e não poderá ser inferior a 20$00.
Cônscios de que V.Exª. desejará colaborar comnosco na tarefa de engrandecimento intelectual e moral do distrito de Setúbal, inscreveremos V. Exª. Como sócio ordinário da Sociedade dos Amigos do Liceu de Bocage, se, até ao fim do corrente mês, não nos der indicações em contrário.
A Comissão Organizadora da Sociedade dos Amigos do Liceu de Bocage,
António Manuel Gamito – Antigo aluno do Liceu de Bocage, seu actual professor efectivo e Reitor e Advogado
Luiz Augusto de Campos Metrass Moreira de Almeida – Professor efectivo e Secretário do Liceu de Bocage
José Guerreiro Murta – Antigo professor e Reitor do Liceu de Bocage
Pedro Tavares Lopes da Silva – Juiz de Direito
Manuel Vieira de Carvalho – Médico e guarda-mor de saúde
João de Castro Osório e Oliveira – Antigo aluno do Liceu de Bocage e advogado
José Gonçalves Sobrinho – Proprietário"


Também fui sócio da Sociedade dos Amigos do Liceu.
Quando em Outubro de 1959 entrei no Liceu, como Professor, o então Reitor Dr.José de Mendonça e Costa não perdeu muito tempo a entregar-nos o boletim de inscrição... na Liga dos Amigos do Liceu (era assim que a tratávamos...)
E ofereceu-nos também os Estatutos respectivos... Que ainda tenho. Não os originais de 1930, mas uma edição posterior com alterações levadas a cabo em 6 de Maio de 1955.
Que aqui fica para a posteridade...

Estatutos da Sociedade dos Amigos do Liceu
na versão de 6 de Maio de 1955

29 novembro 2007

As "garotas" de René Caillé...

Humor antigo
com o traço de
René Caillé


- Queres uma prove de que estou no escritório a fazer serão?!
Tu conheces a voz da secretária do patrão, não conheces?
Pois ela vem agora aqui ao telefone para ficares descansada...

Beira Baixa - Notícias de 1954 - Maio

1 de Maio
Albicastrense que honra a sua terra
Um dia, um jovem português, nascido e criado em Castelo Branco, meteu-se a caminho da Cidade da Luz, capital da França, levando consigo um temperamento de artista e uma férrea vontade de triunfar.
Chama-se Raul Costa Camelo
.
... a notícia transcreve do Diário de Notícias as referências ao nosso patrício:
Paris. -- O pintor português Raúl Costa Camelo encerrou a sua exposição na galeria parisiense "Mistral" depois de ter obtido um grande êxito"
... e cita o jornal "Parisien Liberé" e o semanário "Arts" que deram grande relevo à exposição.
.
Na revista parisiense "Le Courier Graphique", o escritor Charles Guiot escreveu à cerca da pintura do nosso compatriota:
"Costa Camelo foi para nós uma revelação. Pela atracção inteligente das cores "nuancées" e das formas, pela sua plástica geral saída de um espírito moderno bastante reflectido estas obras são mais do que uma promessa. Costa Camelo está bem perto de ter realizado o problema que se põe a todo o artista moderno, isto é, a síntese dos elementos figurativos e não figurativos".
.
O jornal "Arts" define o estilo pessoalíssimo do pintor com estas palavras: "Nascido em Portugal em 1925, Costa Camelo pinta a óleo sobre papel trabalhos a meio caminho entre o simbolismo e o abstraccionismo.
Sobre fundos transparentes desenha esqueletos de peixes primitivos, fósseis, pequenos barcos de aspecto antigo compondo paisagens irreais. as suas cores favoritas são os ocres, os verdes e os cinzentos
."
.
1 de Maio
Vida Municipal
Na última reunião da Câmara Municipal foi deliberado pôr a concurso a construção do novo Estádio Municipal.
.
22 de Maio
A Mocidade Portuguesa e o Desporto
Disputaram-se no sábado, dia 15 de Fevereiro, as finais de Volley-ball do Campeonato Provincial.
Acompanharam as equipas, além do treinador sr.Gonçalves, o sr. Alferes Morão, como árbitro, e alguns estudantes.
Esteve presente o sr.Dr. Morão Coreia, Delegado Provincial da Mocidade Portuguesa.
.
Infantes
Castelo Branco perdeu com o Fundão, por 2-1 ( 10-8, 6-10, 6-10 )
Equipa do Liceu: Faria (cap.), Bayam II, Seteira, Vilela, Rato e Silva Pereira II
Suplentes: Silva Pereira III e Romão
Árbitro: Morão, de Castelo Branco
.
Vanguardistas
Castelo Branco, 2 - Covilhã 0 ( 15-2, 15-9 )
Equipa do Liceu: Bayam I (cap.), Orlando, Gamas, Ferreira, Rossa, Saraiva.
Suplentes: Frutuoso e Ambrósio
Árbitro: Morão, de Castelo Branco
.
Cadetes
Castelo Branco, 2 - Covilhã 1 ( 15-7, 5-15, 15-6 )
Equipa do Liceu: Melo e Cunha, Grilo, Castilho (cap.), Pires Antunes, Carvalhão e Lourinho.
Suplentes: Rui Bento e Jerónimo.
Árbitro: Neves, do Fundão.
.
29 de Maio
Anúncios
“Advogado --- Jaime de Almeida
Avenida Marechal Carmona”

.
“Advogado --- Lopes Chambel
Rua da Sé, 49 -r/c”

.
“Advogado --- José Vasco Mendes de Matos
Avenida Marechal Carmona”

.
“Solicitador --- Vitor Milheiros”

.
“Joaquim Rodrigues -- Alfaiate
Por cima do Mercado”
.
29 de Maio
Vida Municipal
Na reunião de 4ªfeira última, da Câmara Municipal, foram arrematadas as obras do Campo de Jogos do Vale do Romeiro, pelo empreiteiro sr. José Pereira Monteiro.

28 novembro 2007

O que tem Chávez...

...que Mugabe não tem?

É de Rui Ramos que respigámos hoje, no Público, este apontamento:

“E Chávez, na Venezuela, faz uma revolução, certo de que nunca lhe faltará popularidade enquanto os lucros petrolíferos lhe deixarem pagar a sua versão “socialista” da política do pão e circo da Roma imperial.
Os revolucionários acreditaram durante muito tempo que as revoluções se faziam com ideologia. Chávez provou que se fazem melhor com dinheiro. Na Venezuela, o petróleo substituiu o marxismo.”

Francisco José Romão

Só no passado fim de semana tive conhecimento da morte do"primo Francisco Romão".
Alguém em Oleiros me confirmou o triste evento... que teria ocorrido há algum tempo, mas já no decorrer deste ano de 2007... Teria 95 anos.


Quero prestar-lhe uma pequena homenagem mostrando um pouco de si, segundo aquilo que pensavam os seus colegas do Curso Direito, naquele já tão longínquo ano lectivo de 1934/1935.


Francisco José Romão

O Livro de Curso dos Finalistas de Direito da Universidade de Coimbra, do qual retirei estas recordações, foi oferecido ao meu Pai pelo Primo Francisco, em Agosto de 1935... Teria eu sete ou oito meses...

Dois colegas e amigos fizeram-lhe os versos que acompanhavam a caricatura, naquele Livro de Finalistas e, desde miúdo, eu conhecia de cor aqueles dois últimos versos da primeira quadra... "Tem uma voz de trovão, uma voz monumental..." De facto tinha uma voz imponente!
Deixo aqui os versos dedicados ao "primo Francisco":

"Francisco José Romão
Que é de Oleiros natural,
Tem uma voz de trovão
Uma voz monumental.

Pois até uma vez na caça
Um javali, coitadinho!
Morreu de susto, aterrado,
Com a voz do Romãozinho.

E quando estuda em voz alta,
Há logo atrapalhação;
Porque julga toda a malta
Que está tocando o cabrão.

Às vezes com dez perdizes
Chega a casa triunfante,
Compradas a seis tostões,
A loja d’algum marchante.

E além de caçador,
É também este rapaz,
Um conspícuo professor,
Um mestre muito capaz.

Quem mais tira, é quem mais dá;
Assim ensina a somar.
Foi também como aprendeu
O Professor Salazar.

E dizem que até um dia,
Por causa do Estado Novo
Foi p’ràs caves d’Anadia
Fazer um discurso ao povo.

Foi uma arenga tão bela,
E comoveu tanto a gente,
Que mesmo dentro das caves
Foi promovido a tenente.

Senhoras minhas, cuidado!
Cuidado! C’o Zé Romão
P’ra enganar stá ali pegado
Que é no “bluff” campião.

Já perdeu o coração
No meio de tanto amar,
Com dois cúpidos na mão
Nem sabe com qual ficar.

És do “Trust” da amizade
Um sócio bem dedicado,
Isso sabe-o toda a gente.
E com sentida saudade
Dão-te um abraço apertado
O Feio mais o Valente."




A primeira página do Livro de Curso

Este Curso de Direito era formado por um grupo de alunos que deixaram um grande nome, num país... assim pequeno!

Ali fui encontrar os nomes de
António Osório Vaz que foi Governador Civil de Lisboa, já muito depois de se ter tornado famoso como cantor de fados em Coimbra;
José Guilherme de Melo e Castro que foi Governador Civil de Setúbal, Deputado da Nação e Provedor da Misericórdia de Lisboa;
Manuel dos Santos Victor que foi Delegado do Procurador Geral da República, em Setúbal e, mais tarde, presidente da Assembleia Geral da Torralta.: e
Ernesto Andrade, ilustre advogado em Setúbal e ligado à Administração da empresa “Aguas da Bela Vista”.

27 novembro 2007

As "garotas" de Bosch Penalva

A revista "Can-Can" nº 13
publicava na capa em
26 de Novembro de 1959
esta "garota" friorenta...

Desenho de Bosch Penalva

.Junto dela aparecia um desajeitado astronauta debitando "impertinências"...

A completar a página, um diálogo de praia, denunciando as preocupações de muitas jovens de então...

26 novembro 2007

Eles estão doidos!

Não estão, não Senhor! Nós é que passaremos a estar...


António Barreto

Não quero deixar de assinalar o texto estupendo de António Barreto, no seu espaço semanal, nas colunas do Público (25.11.2007) e de afirmar que o seu escrito até parece uma brincadeira…
Mas não é!... É antes um Aviso.
E quem nos avisa…

"(…) A solução final vem aí. Com a lei, as políticas, as polícias, os inspectores, os fiscais, a imprensa e a televisão. Ninguém, deste velho mundo, sobrará. Quem não quer funcionar como uma empresa, quem não usa os computadores tão generosamente distribuídos pelo país, quem não aceita as receitas harmonizadas, quem recusa fornecer-se de produtos e matérias primas industriais
e quem não quer ser igual a toda a gente está condenado.

Estes exercícios de liquidação são poderosíssimos : têm um estado maior em Bruxelas e regulam-se pelas directivas europeias elaboradas pelos mais qualificados cientistas do mundo; organizam-se no governo nacional, sob tutela carismática do Ministro da Economia e Inovação, Manuel Pinho; e agem através do pessoal da ASAE, a organização mais falada e odiada do país, mas certamente a mais amada pelas multinacionais da gordura, pelo cartel da ração e pelos impérios do açúcar.

Em frente à faculdade onde dou aulas, há dois ou três cafés onde os estudantes, nos intervalos, bebem uns copos, conversam, namoram e jogam às cartas ou ao dominó. Acabou! É proibido jogar!

Nas esplanadas, a partir de Janeiro, é proibido beber café em chávenas de louça, ou vinho, águas , refrigerantes e cerveja em copos de vidro. Tem de ser em copos de plástico.

(…)
Na província, um restaurante artesanal é gerido por uma família que tem, ao lado, uma horta, donde retira produtos como alfaces, feijão verde, coentros, galinhas e ovos? Acabou. É proibido.

Embrulhar castanhas assadas em papel de jornal? Proibido.
Trazer da terra, na estação, cerejas e morangos? Proibido.
(…)
Vender no seu restaurante, produtos da sua quinta, azeite e azeitonas, alfaces e tomate, ovos e queijos, acabou. Está proibido.
Comprar um bolo-rei com fava e brinde porque os miúdos acham graça? Acabou. É proibido.
(…)
Vender bolos, empadas, rissóis, merendas e croquetes caseiros é proibido. Só industriais.
É proibido
ter pão congelado para uma emergência: só em arcas especiais e com fornos de descongelação especiais, aliás caríssimos.
Servir areias, biscoitos, queijinhos de amêndoa e brigadeiros feitos pela vizinha, uma excelente cozinheira que faz isto há 30 anos? Proibido.
(…)
As regras, cujo não cumprimento leva a multas pesadas e ao encerramento do estabelecimento, são tantas…

(…) Nas prateleiras, diante das garrafas de Coca Cola e de vinho tinto tem de haver etiquetas a dizer Coca Cola e vinho tinto.

Na cozinha, tem de haver uma faca de cor diferente para cada género.
(…)
…não se pode cortar cebola na mesma mesa em que se fazem tostas mistas.
(…)
Cada vez que se corta uma fatia de fiambre ou de queijo para uma sanduíche , tem de se colar uma etiqueta e inscrever a data e a hora dessa operação.
Não se pode guardar pão para, ao fim de vários dias , fazer torradas ou açorda.
Aproveitar outras sobras para confeccionar rissóis ou croquetes? Proibido.
(…)
As temperaturas do ambiente, no café, têm de ser medidas duas vezes põe dia e devidamente registadas.
(…)
Usar colheres de pau para cozinhar, tratar da sopa ou dos fritos? Proibido. Tem de ser de plástico ou de aço.
Cortar tomate, couve, batata e outros legumes? Sim, pode ser, desde que seja com facas de cor diferentes, em locais apropriados das mesas e das bancas, tendo o cuidado de fazer sempre uma etiqueta com a data e a hora do corte.
(…)

Tudo isto, como é evidente, para nosso bem. Para proteger a nossa saúde. Para modernizar a economia. Para apostar no futuro. Para estarmos na linha da frente
E não tenhamos dúvidas: um dia destes, as brigadas vêm, com estas regras, fiscalizar e ordenar as nossas casas.

Para nosso bem, pois claro."
In "Publico", 25.Nov.2007


De certo modo, “isto” faz-me lembrar Aldous Huxley, mais a sociedade que ele descreve no seu ” Admirável Mundo Novo” … regido, é claro, por uma cabeça bem pensante que, com os nossos agradecimentos, até passará a pensar por todos nós!

As minhas turmas... 5ºA - 1960/61

5ºAno – Turma A
em 1960/61
.
Fui professor desta turma
em Ciências Naturais


Álvaro Almada Contreiras
Álvaro José Gaspar Teles
António Adelino Silva Fernandes
António Baltazar Valente Ramos Dias
António Eduardo Sobral Mendes
Bento António da Cruz Mesquita
Carlos Alberto Monteiro Silva Ferreira
Carlos Manuel Banha Costa
Carlos Manuel Pinto Farto

Claudino João Lobato Pereira
Eduardo Meneses Patrício Correia
Fernando Afonso S. Pinto Almeida
Fernando Alberto Pereira Rica
Fernando Pereira Alves
Francisco Coelho Mendes Fernandes
Francisco José Ferreira Neto
João Luis Cardoso Martins Alves
João Manuel Nunes Santos Teixeira


Joaquim Manuel Couto Lopes
Joaquim Manuel Mira
Joaquim do Nascimento Pires Bárbara
José Afonso Caeiro Paula Santos
José António Teles Duarte Gomes
José Augusto Afoga Bico Carneirinho
José Brás da Silva
José Luis Carvalho Duarte

José Manuel Costa Jesus Seixo


José Manuel Cruz dos Santos
José Selão Domingues Barbosa
José Teresa Lopes
Mário Eduardo Nascimento Fráguas
Mateus Alberto Gonçalves Cabrita
Mateus Gandar Leal Morenito
Rui Sobral Costa

Rui Marinho da Silva
Vitor Manuel Santos Gonçalves


Pertenciam ainda a esta turma os alunos:

António Manuel Garcia da Fonseca
João Lopes Fazenda Barreiros
Joaquim Cardoso Vieira
Mário Batista Cardoso Martins
Raúl José Monteiro e Louro e
Carlos Manuel Martins Rodrigues

...mas não apresentaram fotografia!

25 novembro 2007

Uma aluna de Castelo Branco...

O Comité Olímpico Português acaba de apresentar os seus novos equipamentos desportivos, os quais foram desenhados por Cátia Almeida, uma aluna da Escola Superior de Artes Aplicadas, do Instituto Politécnico de Castelo Branco.
in “Reconquista”, de 22.Nov.2007

Um "título" de 1ªpágina


.“Jogos Olímpicos de 2008
Traje desportivo dos atletas portugueses em Pequim desenhado por estudante

Cátia Almeida, aluna da Esart

Cátia Almeida estuda em Castelo Branco e inspirou-se nos Descobrimentos para este trabalho. Daí que tenha criado “peças que captam a essência do nosso país”.

Cátia Almeida, estudante de Design de Moda, de 21 anos sem qualquer experiência profissional, aceitou o desafio apresentado por uma professora para criar as roupas que vão vestir Vanessa Fernandes, Nelson Évora ou Naide Gomes no seu dia-a-dia na aldeia olímpica.
(…)
É uma experiência óptima, do princípio ao fim”, diz a estudante de Design de Moda da Escola Superior de Artes Aplicadas de Castelo Branco.
Acompanhar o processo todo, da parte criativa à fábrica, ainda por cima no final do 3ºano do curso, foi uma forma privilegiada de ter “contacto com a realidade” fora da universidade.”
in “Público”, de 25.11.2007

Parabéns à aluna Cátia Almeida!...
Parabéns à Esart!...
Parabéns ao Instituto Politécnico!
Parabéns a Castelo Branco!...

Memórias de um diário

13-10-1952
Na aula de Matemática, o Pai Almeida fez uma pergunta "mistério" e, passado algum tempo, ouviu-se a voz sumida do Zeca Cruz que balbuciou uma resposta.

Não a tendo ouvido bem, o Dr.Almeida Esteves perguntou quem tinha falado.
O Zeca Cruz, com medo de ter dito asneira, ficou calado e eu repeti o que lhe tinha ouvido dizer.
O Pai Almeida, olhando para os meus lados, falou nestes termos:
"Quem falou?... Repita que está certo?!"
Eu levantei-me, na calma, e respondi:
" Sr. Doutor fui eu... mas limitei-me a reproduzir o que tinha acabado de ouvir!..."
e ele, sem se desmanchar, pergunta para o auditório:
"Então qual é a primeira edição?!..."
É claro que no auditório houve risada e por um bocado nada se fez...
O Ascensão fez anos hoje.

24 novembro 2007

Uma crítica demolidora...

"Rio das Flores"

"Vasco Pulido Valente leu o último livro de Miguel de Sousa Tavares e não gostou."
Vasco Pulido Valente é um bocado "violento"... mas é frontal e honesto consigo próprio e com os seus leitores.


Vasco PV

Esta crítica pode, no entanto, valer muito exemplar vendido até à véspera do Natal!

Apesar de muito cáustica, Miguel de Sousa Tavares é capaz de ficar muito agradecido a VPV por esta crítica que o Público nos mostra hoje...

Miguel ST

Ficam aqui alguns dos "mimos" que Pulido Valente "ofereceu" hoje a Sousa Tavares

"Vale pouco ou nada como romance histórico, é pobre e vulgar como romance de família"

"Com erro atrás de erro, não há lugar-comum que Sousa Tavares nos poupe sobre o "28 de Maio", a personalidade de Salazar e a perversidade do Estado Novo."

"Resumos do que sucedeu em Portugal e no mundo [...] são de um primarismo, de uma banalidade e de uma ignorância, que não permitem o mais vago entendimento do que se passou."

"Sousa Tavares precisa de "encher" o romance, de o "enchumaçar". Para isso, usa fontes. [...] Há passagens que quem se deu ao trabalho de ler a bibliografia percebe muitas vezes donde foram "tiradas"."

"Não escreve como quem escreve um romance, escreve como quem escreve um relatório: directamente, com a mesma luz branca e monótona para tudo."


"O lugar-comum abunda: a actividade do Natal "é desenfreada"; a "continuidade das coisas" é "reconfortante"; o filho de Diogo "ensaia os primeiros passos"; as pernas de uma senhora são "bem desenhadas"

"Há quem se entretenha com esta espécie de produto, mas não se trata com certeza de literatura... "

Para "amostra" chega... mas vale a pena ler as "quatro páginas" da crítica ao livro Rio das Flores.

Júlio Pomar

Júlio Pomar
1926.01.10


Júlio Pomar nasceu em Lisboa em 1926. Frequentou a Escola de Artes Aplicadas “António Arroio” e as Escolas de Belas Artes de Lisboa e do Porto.
Expôs pintura em 1943, pela primeira vez.
Em 1945, fez uma estadia em Évora integrada na IX Missão Estética de Férias, onde realiza as primeiras experiências de tendência reslista
No mesmo ano dirige uma páginas de arte no diário do Porto “A Tarde”.
Nos dois anos seguintes colabora assiduamente com artigos e desenhos em várias revistas literárias; pinta os frescos do Cinema Batalha, no Porto, cidade onde realiza a sua primeira exposição individual (Galeria Portugália, 1947). Além da participação regular em exposições colectivas, realiza desde então várias exposições individuais.

Júlio Pomar
Foto recente obtida por Jorge Simão (Expresso)

Em 1956, também executa alguns vidros de arte na Fábrica-Escola Irmãos Stephens, na Marinha Grande.
Neste mesmo ano está representado na Exposição de Arte Contemporânea na Associação de Estudantes da Faculdade de Ciências, em Lisboa, que foi supervisionada por José Augusto França.
Em 1960 realiza as primeiras esculturas com ferros soldados e a série de quadros: “Tauromaquia”. E ainda o políptico “”O Estaleiro”.
Com os painéis “O Estaleiro”, Júlio Pomar atinge um dos pontos mais elevados da sua arte e, ao mesmo tempo, atinge uma etapa promissora de novas inquietações. A sua obra futura, como a de todos os grandes artistas, apresenta-se sob o signo de uma profunda interrogação.”

Este texto foi coligido pelo crítico de arte José Ernesto de Sousa e publicado na “Colecção de Arte Contemporânea” (Ed. Artis), em Dezembro de 1960.
Já lá vão quase 47 anos…

A interrogação que então faz sobre o futuro artístico de Pomar desfez-se muito rapidamente. Pomar é um nome que se firmou na pintura e tornou-se num dos máximos expoentes nas artes, em Portugal.


Júlio Pomar - em foto de 1960
(esta foto acompanha a biografia feita por José Ernesto de Sousa,
na Colecção de Arte Contemporânea - 1960)

23 novembro 2007

Habitação Social em Setúbal...

Estávamos em 1970...

A Habitação Social crescia em vários pontos da cidade e, com custos irrisórios, os beneficiários viam melhoradas as suas condições de vida.
Vem a propósito relembrar, a partir de uma publicação dos Serviços Culturais da Câmara Municipal de Setúbal, editada em 19 de Setembro de 1970, as preocupações do Município no que respeita a "O problema Habitacional de Setúbal" e à construção de Habitação Social.

(...)
"... A Câmara mobilizou todos os terrenos que lhe pertenciam e iniciou uma política de aquisição de vastas zonas, na periferia da cidade, onde os custos não fossem muito elevados.
E como não era possível construir directamente, por falta de meios materiais, resolveu enveredar pelos seguintes caminhos:

1. Cedência de terrenos à Federação das Caixas de Previdência, Junta Central das Casas dos Pescadores e a todas as Instituições dispostas a construir bairros de rendas económicas;

2. Venda directa, maciça, com dispensa de hasta pública, a todos que pudessem beneficiar da Lei Nº2092 e Dec.Lei Nº44645, de lotes com projectos aprovados, tanto para moradias unifamiliares como para prédios em propriedade horizontal;

3. Facilitar a iniciativa particular, promovendo a rápida execução de estudos de urbanização, alargando a área urbanizada e apreciando os respectivos projectos sem a menor demora;

4. Construção de casas pré-fabricadas, para alojamento imediato de famílias deslocadas por obras de urbanização.
.
E não há dúvida, que em cinco anos muito se conseguiu com a orientação adoptada."

Quanto ao nº1, os resultados são francamente animadores.

Centro Residencial Marcelo Caetano (1ªfase)

" A Câmara cedeu mais de 5 hectares de terreno, magnificamente enquadrado, onde foi construído um bairro com 391 fogos e 6 estabelecimentos comerciais (1ªfase do Centro Residencial Marcelo Caetano, inaugurado em 19 de Setembro de 1970)

Para a construção da 2ªfase deste Centro Residencial, a Cãmara apresentou já outro terreno com cerca de 5 hectares onde vão ser construídos 410 fogos, cujo estudo está bastante adiantado."

Junta Central da Casa dos Pescadores
Bairro dos Pescadores
.
Para construção nos terrenos anteriormente cedidos pela Câmara e onde se encontravam já edificados os 188 fogos do Bairro dos Pescadores, aguardava-se nesta altura (Setembro/1970) a adjudicação de mais 224 fogos que constituem a 2ªfase.

Quanto ao nº2 (venda directa a quem pudesse beneficiar da Lei nº2092 e Dec.Lei nº44645) verificava-se que "havia suscitado o maior interesse por parte dos beneficiários, pois tem a vantagem de proporcionar a obtenção de casa própria, o que representa para além da resolução de um problema de momento, a constituição de uma poupança."

1ª zona de Expansão do Casal das Figueiras - Autoconstrução
O Bairro Novo do Viso

Os terrenos eram vendidos em zonas devidamente enquadradas no Plano de Urbanização da cidade, a preços que variavam entre 3.000$00 (15 euros) e 16.000$00 (80 euros) por fogo [Atenção! Não era por metro quadrado!...], com projectos fornecidos pelos Serviços Técnicos da Câmara, preço este que é relativo ao terreno e parte da urbanização, sendo os custos das redes de água e electricidade suportado pelos proprietários das casas, em prestações que podiam ir até trinta e seis.

Ali mesmo em frente, o miserável bairro do Casal das Figueiras iniciava agora um processo difícil de reconversão... não sei se já terminado.
(Foto obtida em 3 de Junho de 1970).

.No outro extremo da cidade nascia um outro pólo residencial para famílias de parcos recursos, em tudo semelhante àquele que se desenvolveu no Viso. Estava lançado, a meio do ano de 1970, o Bairro do Peixe Frito e. um pouco mais tarde, um outro Bairro com as mesmas características, nascia, um pouco mais adiante, no sítio da Terroa.

O Bairro do Peixe Frito, em plena construção.


Era nos fins de semana que famílias inteiras construiam a sua futura vivenda


Nesta altura, estavam em construção 200 fogos no Peixe Frito...

...e na Terroa começavam as terraplenagens para mais 80 fogos

Construía-se também a Praça Olga Morais Sarmento com 80 fogos, muitos dos quais para residências comprada ao abrigo da lei nº2092 e Dec.Lei nº44645.

Praça Olga Morais Sarmento, apenas com a metade a nascente em construção.

. Um pouco mais à frente construiram-se alguns lotes do aglomerado urbano que foi conhecido por Fundação Salazar, com 200 fogos, alguns deles com frente para a actual Avenida Infante D.Henrique.

Futura Avenida Infante D. Henrique.

(Todas as fotos foram obtidas em Setembro de 1970)

22 novembro 2007

Um "governo" consciente...

Inspecção revela as debilidades da administração fiscal.
Situações detectadas ferem legalidade e prejudicam contribuintes.

"Contas bancárias totalmente congeladas em resultado de penhoras fiscais independentemente do valor da dívida;

penhoras de vencimentos e de ordenados que ultrapassam os limites estabelecidos na lei; liquidação de juros de mora, umas vezes por excesso, outras por defeito;
cativação de reembolsos de IRS sem que estejam esgotados os meios de defesa dos contribuintes;
situações em que são os contribuintes a avisarem os serviços de finanças de que impugnaram as liquidações que lhes foram efectuadas;
e penhoras efectuadas depois de ultrapassado o prazo de prescrição das eventuais dívidas fiscais.


Estas, e muitas outras, são situações encontradas pela Provedoria de Justiça numa acção de inspecção realizada entre Junho e Agosto de 2006 a 11 serviços de finanças.
Um diagnóstico arrasador do estado da Direcção-Geral dos Impostos (DGCI) sob a direcção do seu anterior responsável máximo, Paulo Moita Macedo

in "Público"
22.11.2007

Ao Fundo da Página

O novo Livro de Poemas de António Salvado tem este título, "Ao Fundo da Página".
... e mais parece um "Relicário" de pensamentos que se guardam ao fim de cada dia que passa...


Não há títulos para cada poema!... Apenas "pensamentos" em forma versejada que se seguem uns atrás dos outros. Muito bonito!... É para ter à mão e reler tantas coisas que coincidem muitas vezes com o nosso pensamento... com o pensamento de todos nós...


"No mutismo mais fundo
dos ecos desmaiados
que vibraram um dia,
quando o bosque floria
e dava frutos
(abrigado pomar entumecido),
quando as nuvens se esqueciam
de descer –
e era de limpidez a água pelos regos.
por aí gosto de flanar
às vezes
ainda que o olhar
não queira mais sentir."

Compreendo muito bem aquilo que escreveste…
… e também acho, muito pragmaticamente, que já não tem remédio


Recebi ontem o teu novo livro “Ao fundo da página” e agradeço-te as palavras Amigas que o acompanham. Bem hajas…

Logo que o passado aflora
no futuro
será instante viver
o presente
.”
António Salvado



António Forte Salvado anfitrião da Romagem de Saudade

Foto obtida em 7 de Junho de 1985

Setubalense - 1953 - Fev. Março

02-02-1953
Casamento
Na paroquial de S.Julião, casaram ontem a srªD. D.Maria Cecília Camolas Reisinho com o sr.Rui dos Santos Salgado Valdez.

.

09-02-1953
A Homenagem a Sebastião da Gama (ontem)
Descerrada uma lápide na casa onde o Poeta nasceu, em Azeitão.
A mesa era presidida pelo
sr. Dr. Paulo Santana, Vice-presidente da Câmara Municipal de Setúbal, ladeado pela
Sra. D. Ester Figueira, presidente da Comissão organizadora da Homenagem,
D.Irene Gonçalves Silva,
D.Matilde Rosa Araújo, e pelos srs.
Rei de Itália,
Professor Doutor Hernani Cidade,
Eng.Soares Franco,
Dr.Luis Filipe Lindley Cintra,
Dr.David Mourão Ferreira e
Dr.Jacinto Nunes.
...
11-02-1953
Mocidade Portuguesa – Liceu Nacional de Setúbal
Foram promovidos a Chefes de Quina, no Centro Escolar nº1, da Ala de Setúbal, os seguintes filiados:
Carlos Picoto,
Nelson Neto,
Henrique Evans,
Eduardo Figueiredo,
Bento Cerqueira,
José Teixeira,
Rui Bravo,
António Adão,
António Soares,
António Borges,
Luciano Neves,
Rui Machete,
Carlos Machado e
Júlio Cruz.
..
14-02-1953
C.M.Setúbal
Serviços Municipalizados
Foi nomeado Director Delegado dos Serviços Municipalizados, o Eng. Electrotécnico Sr. João Rodrigues Aleixo


..
16-02-1953
Assumiu o comando do Regimento de Infantaria 11, o sr.Coronel Augusto de Carvalho.
.

18-02-1953
Estão constituídas as Comissões de Honra e Central do Movimento pró Estádio do Vitória, sendo esta última empossada, possivelmente, amanhã.
..
Comissão de Honra
Dr.Francisco Corrêa Figueira – Governador Civil
Dr.Miguel Rodrigues Bastos – Presidente da Câmara
Dr.José Guilherme de Melo e Castro
Dr.Juiz Corregedor Barbosa Viana
Dr.Santos Vitor – Juiz Deleg.Proc.Ger.República
Dr.Rocha Ferreira – Juiz do Tribunal de Trabalho
Cor.Augusto de Carvalho – Comandante Militar
Cap.Fragata Luis Celestino da Silva – Cap.do Porto
Cap.António de Oliveira Mata – Comandante da PSP
Dr.Bento do Amaral – Delegado do INTP
Padre Mário de Carvalho – Vigário Geral da Vara
Dr.Mendes Dordio – Reitor do Liceu de Setúbal
Eng.Luis da Fonseca – Director da Junta do Porto
Eng.Picado
Eng.António Gouveia – Director da JAE de Setúbal
Eng.Costa Neves – Provedor do Hosp.da Misericórdia.
Eng.Manito Torres
Eng.Armando de Medeiros – Director da Esc. Técnica
Damasceno da Silva – Director da Alfândega de Setúbal
Humberto da Silva Cardoso – Pres.Câmara de Palmela
Dr.Soares Franco – Pres. Casa do Povo de Azeitão
Mariano Augusto Coelho
Dr.Luis Teixeira de Macedo e Castro.
..
Comissão Central
Mário da Ascenção Lêdo
Dr.Francisco Santana – Vice-Presidente da .Câmara de Setúbal
Dr.Manuel Antunes
Vitor Dias Ferreira
Dr.José Carlos Ferreira
Eng.Júlio Nascimento e Oliveira
Dr.Álvaro Gomes
Guilherme Faria
António Ahrens Novais
José Viegas jr.
Cap.Jacinto Frade
José Leitão Ferreira
..
23-02-1953
C.M.Setúbal
Vai ser fornecida energia eléctrica ao Bairro da Azeda

.


28-02-1953
Liceu Bocage
Médico Escolar
Por ter atingido hoje o limite de idade, deixa de exercer as funções de Médico Escolar, cargo que sempre desempenhou com muita proficiência e dedicação, o sr.Dr.José Maria Mendes.
Por tal motivo, o Director e Professores da Escola Industrial e Comercial desta cidade, onde o distinto médico também é professor da disciplina de Higiene, prestaram-lhe significativa homenagem numa sessão que se realizou na passada 5ªfeira.
Também na próxima 4ªfeira, o corpo docente do Liceu Nacional promoverá um almoço íntimo também de homenagem ao distinto clínico.



.
02-03-1953
Censo da população.
Pelo último recenseamento verifica-se, quanto ao concelho de Setúbal que existiam, às 00h, do dia 15 de Dezembro de 1950, uma população residente de 55037 pessoas, assim distribuídas pelas respectivas freguesias



S.Sebastião. . . . . . . 23.832
S.Julião. . . . . . . . . . 5.982
StªMaria. . . . . . . . . .6.502
Anunciada . . . . . . . 14.139
S.Simão (Azeitão). . . 1.539
S.Lourenço (Azeitão) 3.044
.
Porém, a cidade de Setúbal, propriamente como centro populacional, isto é, a população dos aglomerados urbanos é de 44.235 habitantes.

.
02-03-1953
O Edifício F.N.A.T.
Pelo Fundo do Desemprego foi concedida a verba de 123 contos para a edificação da Delegação e Refeitório do Edifício da F.N.A.T., em Setúbal.

.
02-03-1953
Mudança de consultórios.
Os srs. Doutores José de Sousa Fialho e Eduardo Albarran mudaram os seus consultórios para a rua de StªMaria, 26-1º

.
09-03-1953
Chefe da Secretaria da Câmara Municipal de Setúbal
Tomou posse...o sr.Dr.João Luis Pereira Veiga
.
14-03-1953
Despedida
Teve a gentileza de vir apresentar os seus cumprimentos, ao nosso jornal, pois retira para Oleiros, Beira Baixa, a gozar descanso merecido depois de tantos anos de trabalho, o sr.Dr.José Maria Mendes que foi médico escolar distinto no Liceu, Escola Comercial de Setúbal e Escolas primárias.


.
25-03-1953
C.M.Setúbal
Avenida Luisa Todi
Encontram-se muito adiantados os trabalhos de arranjo das duas últimas placas centrais da nossa Avenida. Faltam bancos e melhor distribuição de luz, para valorizar o local.

..


30-03-1953
Notícias Pessoais
Rui Cardoso completa hoje 34 anos.


21 novembro 2007

Manuel Maria...

Levo ou deixo?

Manuel Maria Barbosa du Bocage

Conta-se que Bocage, ao chegar a casa um certo dia, ouviu um barulho estranho vindo do quintal. Chegando lá, constatou que um ladrão tentava levar os seus patos de criação.

Aproximou-se vagarosamente do indivíduo e, surpreendendo-o ao tentar pular o muro com os seus amados patos, disse-lhe:

- Oh, bucéfalo anácrono! Não te interpelo pelo valor intrínseco dos bípedes palmípedes, mas sim pelo acto vil e sorrateiro de profanares o recôndito da minha habitação, levando meus ovíparos à sorrelfa e à socapa. Se fazes isso por necessidade, transijo... mas se é para zombares da minha elevada prosopopeia de cidadão digno e honrado, dar-te-ei com a minha bengala fosfórica bem no alto da tua sinagoga, e o farei com tal ímpeto que te reduzirei à quinquagésima potência que o vulgo denomina nada.
.
E o ladrão, confuso, diz:...
- Doutor, afinal levo ou deixo os patos?

Parabéns!... 21 de Novembro

A Carla Ramalho faz anos hoje
Aqui lhe deixo um abraço amigo...

Carla Maria Castelo Branco Ramalho

20 novembro 2007

As minhas turmas...

4ºAno – Turma B
em 1960/61

.
Fui professor desta turma
em
Ciências Naturais

Aida Maria Alcobia de Morais
Alexandrina Domingas Natividade Marques
Ana Maria Torres Ferreira da Cunha
Angelina Carvalho
Auta Barbosa Quintas
Benvinda Duarte Santos
Cesaltina Maria Afonso Lopes
Graça Maria Nascimento e Silva
Isabel Maria Piteira Ferreira Pena


Leonor Perpétua Silva Casanova
Lisete Carrajola Inácio
Luisa Maria Sousa Pinto
Maria Albertina Nascimento Melo
Maria Amélia Jones de Almeida
Maria Augusta Morato Bravo
Maria Beatriz Biscaia S.Macedo
Maria Beatriz Diogo de Matos
Maria Carolina Matos Cunha


Maria Clara Segurado Lopes da Silva
Maria da Conceição Viegas
Maria Conceiçao Oliveira Cardoso Maçarico
Maria Cristina Cardoso Fiadeiro
Maria Fernanda da Luz Caineta
Maria Fernanda Raimundo Gonçalves
Maria Francelina Santana Cordeiro
Maria Ilete Ruas da Conceição
Maria Joaquina Nunes Ratão


Maria de Jesus Ribeiro da Silva
Maria Lúcia Gonçalves Cruz Gameiro
Maria Luisa Sousa Uva
Maria de Lurdes Salgueiro
Maria Manuela Isabelinho
Maria Manuela Nascimento Martins
Maria Manuela Rosa Oliveira e Silva
Maria Margarida Brito Simões Bolala
Maria Margarida Cardoso Santos Vitor


Maria Margarida Clímaco dos Santos
Mariana Simplício Mendes Coelho
Maria de Jesus Batista do Nascimento

19 novembro 2007

Cinema no Cine Teatro Vaz Preto...

Em Outubro já não havia cinema ao ar livre.

09-10-1952
A taberna de Nova Orleães
Com Errol Flinn

11-10-1952
Totó no Mundo dos disparates
Com Totó

14-10-1952
Duas semanas de amor
Com Jane Powel e Ricardo Montalban

19-10-1952
Sansão e Dalila
Com Victor Mature e Heddy Lamarr

23-10-1952
A rainha e o vagabundo
Com Irene Dunne

25-10-1952
Carga Vitoriosa
Com Van Johnson

26-10-1952
Casamento Real
Com Jane Powel, Fred Astaire, Peter Lawford e Sarah Churchill

27-10-1952
Documentários sobre as Colónias
Tinha bilhete mas não fui...

28-10-1952
A noite de 23 de Maio
Com Ricardo Montalban, Sally Forrest e Bruce Benette

30-10-1952
Teresa
Com Ana Maria Pier Angeli e John Ericsson

Cinema no Parque

Em Setembro de 1952...
...em Castelo Branco, claro!

02-09-1952
Mais do que permite a força humana

13-09-1952
Companheiros da Alegria, no Parque.

25-09-1952
Chá para dois

com Doris Day, Gordon MacRae e Gene Nelson

27-09-1952
Belvedere optimista

28-09-1952
Algemas de Cristal

com Jane Wyman e Kirk Douglas

18 novembro 2007

Pobre Europa...

No "Retrato da Semana"
do "Público" de hoje
18.Nov.2007


António Barreto
(...)
"A história do tratado constitucional é a história de uma fraude política. Alguns povos recusaram a Europa mais ou menos federal assim como a constituição. Fez-se um tratado praticamente igual, mais complexo, mais técnico, mais incompreensível. Com os objectivos explícitos de enganar a opinião; de aprovar furtivamente o que tinha sido recusado; e de evitar que houvesse novos opositores dos referendos. Os argumentos dos defensores do tratado e opositores dos referendos são intelectualmente pobres, politicamente autoritários, tecnicamente medíocres e moralmente condenáveis. Dizem que “não vale a pena”, que “o parlamento á tão legítimo quanto o povo”, que “é muito complexo e técnico” e, por isso,”incompreensível para o eleitorado”; que “ é igual ao anterior”; e também que “é diferente do anterior”. .
Não é só no método e no processo que este tratado é uma fraude. Também no seu conteúdo. Sob a aparência de um melhoramento, concretizado em competências marginais conferidas ao Parlamento Europeu, este tratado é um dos mais potentes recuos da democracia na Europa. O parlamento europeu, pela sua natureza, estrutura e função, não é uma instituição favorável à democracia. Por outro lado, este tratado relega definitivamente os parlamentos nacionais para a arqueologia política e confere-lhes um estatuto tão relevante para a liberdade como a de uma qualquer direcção geral dos recursos hídricos."
António Barreto

As "Bonecas" de Jean Bellus

Humor antigo
com o traço de
Jean Bellus

- Foi uma grande mudança de cenário. Ainda ontem, nesse mesmo lugarzinho, estava uma loira com um "maillot" de duas peças, azul claro...

17 novembro 2007

Escrito na pedra...

No "Público"
de hoje
17.Nov.2007

"Uma mulher nunca esquece o homem que podia ter tido, um homem nunca esquece a mulher que não pode ter."

Edward A Murphy
engenheiro aeroespacial americano
1918-1990

Parabéns!... 17 de Novembro

A Maria Regina faz anos hoje.
Fica aqui um abraço amigo...

Maria Regina Bidarra Santos Silva

16 novembro 2007

Liceu Nacional de Nun'Álvares

1945/46 1ºAno - Turma D
.
A fachada sul do meu antigo Liceu tinha muita dignidade

A Sala dos Professores em cima, ao centro
vista do lado do Jardim do Paço

Era uma ala a que se tinha acesso por uma porta que abria para a rua Bartolomeu da Costa e à qual apenas tinham acesso os Professores e as alunas. Todos os alunos tinham de entrar pelo portão do pátio situado um pouco mais à frente, a seguir ao edifício principal. Esse portão dava acesso ao pátio grande onde havia um telheiro enorme que nos livrava da chuva... Não do frio!...

A fachada mais emblemática do edifício do Liceu estava voltada para esse pátio no qual desembocavam as saídas das salas de aula quando a sineta tocava para os intervalos.

Como é evidente, esta foto é muito posterior a 1945/46

A sala onde a minha turma tinhas as aulas situava-se no 1º andar de uma ala do edifício já desaparecida, que ficava voltada a nascente, lá ao fundo, no topo mais afastado do pátio principal.

Esta planta com o pátio atrás referido mostra, à esquerda,
a fachada principal do edifício e, no topo, a ala que já não
existe na qual tiveram aulas os alunos da Turma D, a minha turma.

Reproduzimos agora a relação dos alunos que em 1945/46 estiveram matriculado na turma D, do 1ºAno.

1 Capitolina Ribeiro Dias
2 Irene da Conceição Farinha
3 Maria Celestina Conceição Camilo
4 Maria Emília Esteves Nunes
5 Maria Joaquina Afonso
6 não registada
7 Saudade dos Santos Vilela
8 Alexandre dos Reis Caria
9 António Amado Pedro
10 António Duarte Beirão Belo
11 António Garcia Ribeiro
12 António Marques Janeira Neto
13 António Nascimento Ramos
14 António Patacas Fraqueira
15 António Ribeiro Farinha Rafael
16 Augusto Gomes
17 Carlos Eduardo Duarte Ribeiro
18 Domingos da Cunha Salgueiro
19 Domingos Gomes Morgado Duarte
20 Domingos dos Santos Barata
21 Jaime da Fonte Alpendre
22 João Correia Barata
23 João José Mendes de Matos
24 João Maria da Silva Milheiro
25 João Maria Torrado Marques
26 João de Oliveira Ramos
27 João dos Santos
28 Jorge Manuel Araújo Antunes
29 José Monteiro Pinto Ferreira
30 Leonardo Sousa Nogueira Cardoso
31 Luis Joaquim Carrega Marçal Grilo
32 Manuel Silva Carvalho
33 Paulo Correia Hormigo
34 Pedro Manuel de Paiva Pessoa
35 Raul Carreiro Chambino
36 Júlio Alberto Carreiro
37 Armindo Belo Ramos de Almeida


De alguns destes alunos/as não tive mais notícias.

Alguns deixaram-nos cedo de mais como a Maria Joaquina Afonso e o Leonardo Cardoso; outros nem tanto, como o Domingos "Avô" Morgado Duarte que "abalou sem dizer nada"... há bem poucos anos e o Pedro Paiva Pessoa, há um ano ou dois

Num outro grupo alinho aqueles que nunca mais vi: a Capitolina, a Celestina, a Saudade Vilela, o Patacas Fraqueira e o Raúl Chambino.


Noutro sector faço "alinhar" aqueles que não perdi de vista nem de nome...mas que não vejo há uma imensidade: o Janeira Neto, o António do Nascimento Ramos "Biseu", o Augusto Gomes professor de História na Guarda(?), o Domingos da Cunha Salgueiro, professor de Matemática, o Domingos Barata, o Jaime Alpendre, o Torrado Marques, o João dos Santos, o Jorge Araújo que não vi durante uma vida mas voltei a ver na última Romagem de Saudade e vive agora em Leiria e o Paulo Hormigo que não sei por onde pára...


De entre aqueles a quem não perdi de vista ou com quem tenho uma relação mais próxima posso citar o António Garcia Ribeiro (Catraia), o João Correia Barata que era o meu companheiro de carteira e o companheiro de sempre Luís Marçal Grilo.

Quis deixar para o fim uma referência à Maria Emília Esteves Nunes que foi nossa companheira de percurso durante o Liceu e vejo, de quando em vez, pelas Romagens ou almoços dos Antigos Alunos... sempre com o marido Zé Amaral (que era da turma C) em sua companhia... há quase 50 anos!!! Isso é que é ter paciência... Ouvi dizer que vai haver festa rija em Abril!...É verdade?!!...

15 novembro 2007

A Loja da esquina

Voltei a gostar da “conversa” da Drª Ana Rita Calmeiro, no seu Cantinho da 3ªpágina, da Reconquista que li hoje, dia 15 de Novembro.Ana Rita Calmeiro
.
Vou destacar, com a devida vénia, algumas das ideias que ela expõe no seu artigo que vem a propósito da recente inauguração do Fórum, em Castelo Branco. E com as quais estou de acordo…
.
(…) Prefiro andar a fazer compras na rua, ao ar livre, aproveitar para passear um pouco, apanhar sol e ar fresco. E não esqueço, não consigo esquecer, que conheço o comerciante albicastrense, que sei quem é e, vagamente, onde mora, com quem casou e se tem filhos porque todos somos de cá e pertencemos à mesma comunidade. Não conheço o dono da grande marca estrangeira que abre a sua requintada loja em muitos países e em muitas localidades nem os administradores desses empresas internacionais que gerem gráficos de custos e lucros com tudo elevado ao milhão.
.
Conhecer as pessoas, albicastrenses como eu, saber como são nos dias bons e nos dias maus e, vagamente, onde moram, com quem casaram e os filhos que têm, cria laços de empatia e de solidariedade que muito respeito e que tudo faço por reforçar.
.
O Fórum deve ser óptimo, não duvido. Mas prefiro a loja da esquina, onde sabem recordar-me o que comprei o ano passado
.”

Bonito, não é?!...

O estado da cultura...

Hoje,
no "Espaço Público"
2007. Nov. 15
Um artigo de Zita Seabra

... com o governo socialista de José Sócrates, tudo se inverteu:
deixámos cair o património por falta de meios para o conservar;
os museus nem têm verbas para assegurar com dignidade as portas abertas;
os monumentos nacionais, recuperados com verbas comunitárias, estão fechados a visitas, porque não há dinheiro para lá ter alguém a abrir a porta.
Olhe-se para Mafra, onde Putin e Sócrates se reuniram, que está num estado lamentável, nem electricidade tem em todo o palácio.
O próprio palácio de Queluz está como nunca esteve, numa situação de abandono.
Vila Viçosa só pode ser visitada em dia de sol, pois só uma ínfima parte está electrificada, ou Sagres, que nos envergonha.
A Festa da Música no CCB é uma mera recordação na memória colectiva de uma cidade que gostava do CCB e da Festa.
O Instituto do Livro acabou, a Companhia Nacional de Bailado fundiu-se com o S.Carlos, numa solução inaceitável que está a paralisar as duas companhias.
Tudo para que a Ministra tenha verbas para comprar a exposição do Hermitage. Dizem aliás que algumas peças são meras réplicas, o que se compreende.
Pior que tudo, a ministra da Cultura saneou o que havia de melhor e mais competente nos organismos do seu ministério.

São sempre assim os incompetentes.
Saneou entre muitos outros, Dalila Rocha, do Museu de Arte Antiga, e Paolo Pinamonti, do S.Carlos.

Há umas semanas, o jornal Expresso trazia na primeira página uma fotografia indescritível da ministra Isabel Pires de Lima. A senhora ministra estava sentada na Arábia Saudita em cima de um camelo. Como é possível ceder essa fotografia a um jornal como coisa de Estado? Só pode ter uma explicação: a ministra desejava ilustrar como está a cultura para o Governo…


in. jornal "Público"
15.11.2007

Mais autonomia...

Marçal Grilo
pede mais autonomia
para as escolas

"O Governo deve intervir menos no sistema de ensino e dar às escolas ferramentas para que estas possam trabalhar no combate ao insucesso e abandono escolar", diz Eduardo Marçal Grilo, ex-ministro da Educação e administrador da Fundação Calouste Gulnbenkian.

"Deixemos as escolas trabalhar."
"Quanto menos regulamentação houver, quanto mais responsabilidade para escolas e famílias, melhor", considera o antigo responsável pela pasta da Educação.
Foi durante os anos em que Grilo esteve no ministério que foi publicada a primeira lei da autonomia das escolas.
"A minha ideia foi sempre a de dar maiores responsabilidades e melhores condições", confessa.

O administrador da Gulbenkian critica ainda a burocratização que envolve as escolas e defende que "o poder político não deve estar no detalhe".

"O mais importante é dar condições às escolas. Acredito na autonomia das escolas para tomarem as suas próprias decisões", sublinha.

Artigo de
Bárbara Wong
in "Público"
15.11.2007


Pois é, caro Prof.Eduardo Grilo...
o que tem pesado sobre a gestão das Escolas é, fundamentalmente, ninguém ser capaz de assumir responsabilidades e haver uma total incapacidade de tomar decisões... Todos têm medo de todos!... E enquanto predominar o medo ninguém será capaz de decidir.

Museu do Prado - Cardeal

O Cardeal
de Rafael
1483 - 1520


O Cardeal

A tábua intitulada "O Cardeal" constitui uma autêntica jóia do Prado e um retrato exemplar pelos valores plásticos e pala expressão e cor. Aos seus inúmeros atributos é preciso acrescentar o encanto do mistério, já que nunca a encontramos citada antes do século XIX. A identificação desta personagem, de olhar inquisitório, mantém-se ainda agora incerta. Hoje, depois de se terem mencionado os nomes de uma dezena de cardeais mais ou menos conhecidos, como Aragão, Farnese, Alidosi, etc. pensa-se, graças âs investigações do Prof.Suida, que a personagem representada seja Bandinello de Sauli, cardeal oriundo de Lucca, do qual existe, no Museu de Washington, um retrato feito por Sebastiano del Piombo.

Cfr. Marco Valsecchi
In “Grandes Museus do Mundo
Ed. Verbo – Novembro de 1973

14 novembro 2007

Escrito na pedra...

No "Público"
de hoje
14.11.2007


"Escrever é que é o verdadeiro prazer;
ser lido é um prazer superficial."


Virgínia Woof
escritora britânica
1882-1941

Beira Baixa - Notícias de 1954 - Abril

17 de Abril
O Clube de Castelo Branco festeja as suas Bodas de Ouro
Tem estado em festa desde o dia 10, com o seguinte programa:

.
Programa Geral das Festas
Dia 10 - às 22h 45m
Sessão Solene para a qual estão convidadas as autoridades locais
Conferência pelo ExºSr. Luis Esteves Santos,
Presidente da Federação das Sociedades de Recreio
Dia 11 - às 10 horas
Missa no Cemitério por intenção dos sócios falecidos e romagem às campas e jazigos
Dia 11 - às 13 horas
Almoço de confraternização entre sócios, comemorativo das bodas de ouro.
Dia 11 - às 16 horas
Bodo a 50 pobres
Dia 18 - às 13 horas
Partida dos ciclistas para um prova, com chegada ao Campo Vale do Romeiro
Dia 18 - às 16 horas
Ginkana de Automóvéis, no Campo do Vale do Romeiro
Dia 24 - Sarau de Gala
Dia 1 - Baile de Encerramento, com valiosos brindes e surpresas para todas as senhoras e cavalheiros
.
Comemorações
No 1º dia, foi uma sessão solene num dos salões da sua sede, presidida pelo sr.Dr.Alberto Trindade, Governador Civil substituto e Presidente da Junta de Província, acompanhado pelo sr.Dr.Augusto Duarte Beirão, presidente da Câmara Municipal de Castelo Branco, Major Heitor, em representação do Governo Militar, RevºJoão de Assunção Jorge e do sócio fundador sr.José Barata Roxo.
Começou a sessão por algumas palavras pronunciadas pelo sr.António Vitor Pereira, presidente da Direcção que saudou os convidados e lhes agradeceu a presença.
Falou depois o conferente sr.Luis Esteves Santos umas palavras subordinadas ao título
“O Recreio na Vida dos Povos"
Falou ainda o Dr.Alberto Trindade.
No final foi descerrado um quadro com os nomes de todos os sócios fundadores e, por iniciativa de um grupo de sócios, foi afixado um outro com o retrato do sócio fundador sr.José Paulo

24 de Abril
Circo Maravilhas
Registou ontem uma enchente em espectáculo de homenagem ao popular Sport Benfica e Castelo Branco

24 de Abril
Integrado no programa das Comemorações dos 50 Anos do Clube, realizou-se no passado Domingo de Páscoa, no Campo do Vale do Romeiro, uma Gincana de automóveis que teve a seguinte classificação:
1º Prémio -- Ricardo Valente
2º Prémio -- Francisco Nunes Freixo
3º Prémio -- José Duarte Ramos
4º Prémio -- João Luis Mendes Paulo
5º Prémio -- Manuel Ricardo Venâncio
6º Prémio -- Porfírio Rodrigues de Lima
7º Prémio -- Ricardo Valente
8º Prémio -- João Tavares Carriço

24 de Abril
Doente
Menina Maria Inês de Abrunhosa Mansinho
Submetida a uma melindrosa operação cirúrgica regressou já a esta cidade em vias de franca convalescença.
.
24 de Abril
Pedido de Casamento
Pelo sr. Possidónio José Marçal Grilo e sua esposa srª D. Maria Rosália Grillo foi pedida, no passado domingo, para seu filho sr. José Augusto Marçal Grillo, a mão da srª D. Magda Emílio de Sena Belo.
.
24 de Abril
Pedido de Casamento
No passado dia 17, foi pedida pelo sr. Dr.Frederico da Costa Conde e esposa ExªSrª D. Manuela Moreira Conde, para seu sobrinho Dr. Henrique Mendes Carvalhão, a mão da srª D. Mariana Carriço Goulão, filha do Dr.Júlio Goulão e sua Exª Esposa D.Isabel Carriço Goulão.