14 agosto 2018

Parabéns!... 14 de Agosto

A Fátima faz anos hoje.
Desejo que tenha um belo dia de aniversário.


Dr.ª Maria de Fátima Paula Barros

13 agosto 2018

Pensamentos...


"Ninguém é perfeito até que você se apaixone por essa pessoa."
.
William Shakespeare

1564 - 1616
dramaturgo e poeta inglês

12 agosto 2018

São quadras, meu bem!... São quadras...

.
Fosse eu Ravel e sentisse
A causa desta opressão
Tinha chamado ao Bolero
Balada de um Coração...        

11 agosto 2018

Professores do Liceu...

...Nacional de Setúbal,
em Julho de 1961
na época de exames.

Uma fotografia "para a posteridade"...
Por filas, da frente para trás: Maria de Lurdes do Rosário, Maria José Condeço, Joana Meira, Ausenda Caetano Paulino Pereira, Irene Rito, Emília Pereira, Carolina Fonseca, e Conceição Vitorino, Maria das Dores Vicente (meio encoberta), Eduardo Zink (?), Manuel Tavares Emídio, Américo Vieira, Maria da Luz Câmara Pestana, Luís Câmara Pestana, João José Matos, Mário Marques Júnior, Isabel Salgado Gomes, António Maurício e Renato Nogueira.

10 agosto 2018

Recordações...

Em Novembro de 1973,
num passeio a Tróia.
.
GI

09 agosto 2018

Escrito na pedra...

In “Público
30.07.2018
.
Nunca te vendas És tudo o que tens.
.
Janis Joplin
1943 – 1970
compositora e música

08 agosto 2018

Mas quem não ama não vive...

...é o título de um poema escrito por
António Botto 
.

António Botto
(1897-1959)
.
Quem não Ama não Vive
.
Já na minha alma se apagam
As alegrias que eu tive;
Só quem ama tem tristezas,
Mas quem não ama não vive.

Andam pétalas e folhas
Bailando no ar sombrío;
E as lágrimas, dos meus olhos,
Vão correndo ao desafio.

Em tudo vejo Saudades!
A terra parece morta.
- Ó vento que tudo levas,
Não venhas á minha porta!

E as minhas rosas vermelhas,
As rosas, no meu jardim,
Parecem, assim caídas,
Restos de um grande festim!

Meu coração desgraçado,
Bebe ainda mais licor!
- Que importa morrer amando,
Que importa morrer d'amor!

E vem ouvir bem-amado
Senhor que eu nunca mais vi:
- Morro mas levo commigo
Alguma cousa de ti.

António Botto, 

in 'Canções' - 1921