03 junho 2012

Foguete de lágrimas...

...um poema de António Gedeão.



António Gedeão



Foguete de lágrimas
.
Poesia é carne e é flores
é suor cristalizado,
trepidação de motores
num céu diurno e estrelado

É canção de altifalante
no largo da feira-franca.
perfume de saia branca,
copo de vinho estuante

É toda a força contida
e evidente sem disfarce,
o salto que há-de formar-se
da pantera adormecida.

É corpo e é coisa mental,
nebulosa primitiva,
espasmo de matéria viva,
ressonância universal.

É cozimento de olhares,
de sons, de cheiros, sabores,
onde corre em capilares,
sangue de todas as cores.

No poço da morte impura
goteja a humana agonia.
Da angustiosa aventura
tudo que fica é poesia.

António Gedeão
In “Teatro do Mundo” – 1958

Sem comentários: