04 outubro 2014

O aviário...

...é o título do artigo de "Opinião" que
Vasco Pulido Valente
escreve hoje no "Público"
.
Vasco Pulido Valente
.
António Costa resolveu dividir o partido de acordo com os resultados das primárias. Aproximadamente, dois terços para ele  e um terço para Seguro, ou seja, para a gente que apoiou Seguro.
Na Quadratura do Círculo, explicou que o PS não tinha o hábito, como o PSD. de afastar quem perdia nas querelas domésticas. O PS aproveitava sempre os vencidos e aceitava colectivamente como sua  a história da "família", fosse ela a que fosse: o "soarismo", o "guterrismo", o "socratismo", o "segurismo",  e agora o "costismo" . O símbolo desta trapalhada é, neste momento, o amável Eduardo Ferro Rodrigues, que já subiu passo a passo a escada do partido, de "militante de base" a secretário-geral, e anteontem aceitou ser presidente da bancada do grupo parlamentar socialista, com uma grande variedade de espécies criadas com desvelo no mesmo aviário.
Com certeza não ocorreu a Costa que os portugueses queriam remover Seguro da sua vida, mas também estavam fartos das personagens secundárias, que desde 1975 ajudam à missa. O apadrinhamento de Costa pelas relíquias do PS (Mário Soares, Almeida Santos, Jardim e Alegre) não anunciava nada de bom. A pesca miraculosa de amigos de várias famílias, que só se distinguem na vida pública pela sua idade e pelo sossego com que atravessaram a democracia, piorou as coisas. Quando a procissão sair do adro com a velha tropa à frente, tropeçando e tossindo, não haverá um único cidadão activo que lhes conceda a mais remota confiança. "Lá voltam eles!", dirão desconsoladamente os basbaques do costume. "Isto não muda".
Como, aliás no PSD, não se ouve no PS um nome conhecido pela sua importância autónoma. Parece que nem um médico, nem um advogado, nem um arquitecto, nem um empresário jamais se dignou a pôr os pés no casarão do Largo do Rato. E parece pior. Parece que o mundo do Largo do Rato não comunica com o mundo do cidadão comum. Existia uma esperança, embora ténue, de que a Câmara de Lisboa tivesse transmitido a Costa uma noção do que sucedia cá fora. Seguro até garantiu que ele não largava "a janela". Talvez não largasse. O pior é que o "novo rumo" com que ele sonhava era a manifestação de "carbonários", que, em 1910, para nosso mal, proclamou a República. O cozinhado de facções que António Costa, esta semana, perpetuou (e se prepara para continuar) não anima ninguém. A mediocridade ganhou.

Sem comentários: