20 julho 2012

Eu vi jogar o Tomé...

... em 1949, no Sporting da Covilhã.

Nas deambulações que por vezes faço pela Net, fui descobrir um site que tenta recolher excertos da história vivida pelo Sporting da Covilhã. Tem a designação:( http://www.historiascc.com/), e foi actualizado em 13 Junho 2012...

Chamou-me a atenção por se tratar do Sporting da Covilhã, eterno rival do "meu" Sport Benfica e Castelo Branco e porque, naquela altura, após ter terminado a 2ªGuerra Mundial, um grande industrial de lanifícios da Covilhã -- Ernesto Cruz -- tomou as rédeas do Clube e fez dele um "grande clube português". Ernesto Cruz era o pai do Júlio Casaleiro (Torres da Cruz) que foi meu colega no Liceu de Castelo Branco, do 3º até ao 7ºano, em 1952/53. Foi a época de oiro do grande jogador francês de origem húngara, András (André) Simonyi que tinha ao pé de si, de um lado e do outro, dois sensacionais "fazedores" de jogadas, o espanhol Martin e o argentino Porcel (António José)... Com a bola colocada a um metro dos seus pés, Simonyi não perdoava!!...

Pois foi nesta aquipa que também jogou um homem muito ligado a Setúbal... o pai do Fernando Tomé.

Podemos ler naquele documento, uma entrevista que os organizadores do site lhe fizeram e que aqui deixo com a vénia devida aos "pais" daquele site.

O nosso site continua a entrevistar alguns dos grandes nomes que passaram pelo emblema serrano, tendo agora solicitado a colaboração de João Tomé, que entre 1948 e 1955 envergou a camisola covilhanense em 138 jogos na 1ª Divisão Nacional, nos quais rubricou 41 golos, actuando preferencialmente a interior.


Tomé com o filho Fernando...

1 - Ingressou no SC Covilhã na época 1948/1949, como é que aparece o interesse do clube no João Tomé?
Eu estava a jogar no Académico do Porto e o Sporting Clube da Covilhã interessou-se na minha contratação, pois estava a fazer uma época muito positiva. Conseguimos chegar a acordo e fui a transferência mais cara nessa época.
2 - Quais os principais momentos que passou no SC Covilhã?
Todos foram bons momentos, pois foi o clube que mais me marcou. Estive no Sporting Clube da Covilhã durante sete bons e felizes anos.
3 - Quais as diferenças do futebol dos anos 40/50 para o actual?
O futebol é diferente, porque hoje em dia é mais complexo, visto que os jogadores têm uma técnica e uma tática diferentes, por isso, são futebolistas diferentes. Claro que como em tudo, houve progressos, mas no meu tempo os sentimentos eram outros, sentíamos mais a “camisola”, o clube… bem, eram outros tempos.

Tomé (João)

4 - Quais os jogadores mais marcantes com quem jogou no SCC?
Todos os jogadores foram importantes, mas posso realçar os nomes de Simonyi, Fernando Cabrita, Diamantino, Martin, Roqui e os irmãos Cavém.
5 - Janos Szabo foi seu treinador durante os sete anos que representou o SCC. Como era Szabo como treinador?
O Janos Szabo foi um grande treinador. Foi um orgulho ser treinado por ele. Era uma pessoa muito reta e um excelente ser humano.

Era assim quando o conheci e o vi jogar no Sporting da Covilhã.

6 - Ainda sente curiosidade pelos resultados do SC Covilhã?
Ainda hoje tenho curiosidade em acompanhar o atual Sporting Clube da Covilhã. Vejo todos os fins-de-semana os resultados, a classificação, e sempre que são transmitidos jogos assisto na televisão.
7 - Que gostaria de referir que não foi mencionado anteriormente?
Gostaria que o Sporting Clube da Covilhã voltasse à 1ª Liga, pois, merecem como clube histórico do futebol português. Aproveito para deixar as minhas saudações a todos os covilhanenses, desportistas e um bem-haja a todos.

Sem comentários: