29 maio 2016

Quando o meu rosto de fingir se esquece...

...num poema a que
Pedro Homem de Melo
deu o nome de
Êxtase
.
Pedro Homem de Melo
.

Êxtase

Este jardim, este jardim calado
Este jardim, este jardim escuro
Este jardim que é todo o meu passado
Este jardim que é todo o meu futuro
Este jardim - jardim de onde até onde? -
Este jardim que é todo o meu país
Este jardim em que ninguém responde
A todas as perguntas que lhe fiz,
Este jardim onde repouso a fronte
- Longínqua voz seguindo-me de perto...
Este jardim, meu único horizonte,
Este jardim, este jardim deserto,
Este jardim que, ao sol, dobra o joelho
Este jardim que é toda a minha prece,
Este jardim que é todo o meu espelho
Quando o meu rosto de fingir se esquece...
Este jardim que tem a cor do dia
Este jardim sem nome, este jardim
Que é verde, agora, sob a aragem fria,
Como se alguém me acariciasse, enfim!
.
Pedro Homem de Melo
in."Nós portugueses somos castos" - 1967

Sem comentários: